A Alfob

Fundada em 5 de Outubro de 1984, a Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil, também designada pela sigla ALFOB, é uma associação civil sem fins lucrativos, de direito privado, que se pauta pelos princípios do direito público, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial, de duração indeterminada.

A missão da ALFOB está ligada ao fortalecimento do conjunto dos laboratórios oficiais e à valorização da rede de produtores públicos na formulação e implantação de políticas públicas, em especial nas áreas de saúde e de desenvolvimento socioeconômico. Busca ainda promover o acesso a tecnologias estratégicas para o sistema de saúde e contribuir de forma significativa para o desenvolvimento regional.

Atualmente, a ALFOB conta com 19 Laboratórios Farmacêuticos associados, e com representação formal junto ao Ministério da Saúde e ao grupo gestor do Complexo Industrial da Saúde. A maioria de seus associados está vinculada a governos estaduais, quatro são ligados a universidades e cinco a instituições federais (três pertencem às Forças Armadas: Marinha, Exército e Aeronáutica, e dois diretamente ao Ministério da Saúde). Eles estão situados nas regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul e compõem a Rede Brasileira de Produção Pública de Medicamentos (RBPPM). A capacidade instalada existente na RBPPM apresenta um potencial de 16,6 bilhões de Unidades Farmacêuticas/ano.

Os Laboratórios Farmacêuticos Oficiais (LFOs) estabelecidos têm portes variados e características técnicas, administrativas e financeiras distintas, mas sua missão principal é produzir medicamentos, soros, vacinas, kits de diagnóstico e produtos para a saúde que atendam a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename) e, por consequência, a demanda do Sistema Único de Saúde (SUS).

Os LFOs agem não somente na manufatura, mas são estratégicos como indutores de políticas de pesquisa e inovação, desenvolvimento de formulações e novos fármacos e, ainda, como reguladores de preços no mercado nacional.